SST Online

Você sabia que 41% dos acidentes são decorrência de más condições de ergonomia?

Nada menos que 41% dos acidentes são decorrência de más condições de ergonomia

Estes dias estava pesquisando pela internet a relação da ergonomia com acidentes de trabalho e me deparei com a publicidade do LIVRO: UM NOVO OLHAR  NA PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO TRABALHO: O FATOR ERGONOMIA escrito pelo Dr Hudson Couto e engenheiro, seu filho, Dennis Couto.

E olha isso. Os autores resgataram e reanalisaram, junto com engenheiros, médicos do trabalho e técnicos de segurança de 14 empresas, 983 acidentes do trabalho questionando sobre as condições de ergonomia em cada um deles e chegaram a algumas conclusões importantes: Nada menos que 41% deles (405 acidentes) foram em decorrência direta das más condições de ergonomia.

Os fatores que mais contribuíram para os acidentes foram ferramentas impróprias, layout inadequado, padrão operacional que não contempla a ergonomia (ou que até mesmo orienta para comportamentos ergonomicamente incorretos), posição forçada do corpo, piso inadequado, sobrecarga ligada à tarefa ou à atividade e meio inadequado de movimentação de materiais.

Dias destes, em um bate papo com o Prof. Edivaldo Gregório, especialista no FAP, ele relatou que em seus levantamentos, investigando a origem acidentária junto a seus clientes como forma de prevenir e reduzir posteriormente a alíquota tributária, chegou à conclusão que esse percentual pode chegar em torno de 70%. Essa informação só reforça minha tese antiga sobre a quão ESTRATÉGICA é a ergonomia para as empresas. 

Minha experiência mostra que nem sempre é necessário investimentos vultuosos, automações etc. para solucionar más condições ergonômicas. Ajustes nos aspectos organizacionais (atividade bem planejada, metas coerentes e time adequadamente dimensionado); pequenas adaptações no layout; somado a medidas de prevenção (pausas formais, rodízio entre as atividades e/ou entre os operadores, incentivo a alternância de posturas) e aliado com treinamentos consistentes (padrão operacional e modo operatório eficiente e saudável, treinamento postural e sobre movimentação e manuseio de cargas) são capazes de mitigar ou até evitar estes acidentes.

Por isso, penso que é uma grande oportunidade perdida quando as empresas contratam uma consultoria para fazer sua AEP ou AET apenas como cumprimento de normas. Enquanto essas análises continuarem indo direto para as gavetas e não para as reuniões gerenciais, os acidentes evitáveis estarão sempre por ai.

Facebook
Twitter
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esteja antenado às novidades do SST

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Nossos Cursos

PCMSO da nova SST, com Dr Rafael calixto

Aprenda TUDO que você precisa saber da NR-7 na nova SST com exemplos práticos, ferramentas e estudos de caso, e também como a gestão do PCMSO se adequa ao PGR e eSocial!

Curso Dominando o PPP e LTCAT

Seja o profissional que o mercado procura! Domine a arte de elaborar LTCAT e PPP à prova de falhas no eSocial e abra as portas para ganhar mais de R$5.000 mensais em segurança do trabalho

Treinamento Prático Desafio GRO e PGR

Um acompanhamento passo a passo para você analisar o extrato do FAP, identificar divergências e contestar o FAP 2022 de forma segura, correta e dentro do prazo

Curso Prático de Contestação do FAP

Um acompanhamento passo a passo para você analisar o extrato do FAP, identificar divergências e contestar o FAP 2022 de forma segura, correta e dentro do prazo