Aprenda com meus erros: conecte-se com empatia, mas lidere com compaixão.

Nos últimos dois anos observo meus colegas, líderes em suas organizações, sobre como têm suportado ao ajudar as equipes a se recuperarem do luto e da perda da pandemia, sendo sensíveis às ansiedades das pessoas.

Claro, esse tipo de empatia é importante para uma boa liderança.

Mas muito disso pode ser um problema: sobrecarregando o líder.

Quando dizemos aos líderes que, na verdade, eles não precisam assumir as dificuldades das pessoas que lideram para si mesmos, esse é um fardo enorme tirado de seus ombros.

Essa é uma grande mudança na forma como os líderes se envolvem com suas equipes, uma mudança que beneficia muito todos os lados.

Começa com a compreensão da diferença entre empatia e compaixão.

Mas, Roberto, qual é a diferença?

Vamos começar com algumas definições.

As palavras “empatia” e “compaixão”, bem como “simpatia”, às vezes são usadas de forma intercambiável.

Todos eles representam traços positivos e altruístas, mas não se referem exatamente à mesma experiência.

É útil considerar as duas qualidades distintas da compaixão: entender o que o outro está sentindo e a disposição de agir para aliviar o sofrimento do outro.

Quando sentimos pena, temos pouca disposição para agir e pouca compreensão da experiência de outra pessoa.

 Simplesmente sentimos pena deles.

Com empatia, temos uma compreensão próxima e visceral da experiência da outra pessoa. Sentimos com a pessoa.

Nós, literalmente, assumimos as emoções da outra pessoa e tornamos esses sentimentos nossos.

Embora seja uma coisa nobre de se fazer, não ajuda necessariamente a outra pessoa, exceto por, possivelmente, fazê-la se sentir menos solitária em sua experiência.

Nossa compreensão da experiência da outra pessoa é maior do que com empatia porque puxamos nossa consciência emocional, bem como compreensão racional.

A compaixão ocorre quando nos afastamos da empatia e nos perguntamos o que podemos fazer para apoiar a pessoa que está sofrendo.

Dessa forma, a compaixão é uma intenção versus uma emoção.

Por que isso importa?

Em minhas primeiras missões na África observei que:

“Se eu liderasse com empatia, nunca seria capaz de tomar uma única decisão. Por quê?

Porque com empatia, espelho as emoções dos outros, o que torna impossível considerar o bem maior”.

Mesmo com seus muitos benefícios, a empatia pode ser um péssimo guia para os líderes.

A empatia geralmente nos ajuda a fazer o que é certo, mas às vezes também nos motiva a fazer o que está errado.

E como errei nas minhas decisões como gestor em nossa área de QSMS-RS & Sustentabilidade

Principalmente quando estamos naquela famosa pressão da operação, quando não dão a mínima para as questões de nossa área e, claro, com a falta de respeito conosco profissionais

Descobri com o tempo que a empatia pode distorcer nosso julgamento.

Como líderes, a empatia pode obscurecer nosso julgamento, incentivar preconceitos e nos tornar menos eficazes na tomada de decisões sábias.

No entanto, isso não deve ser completamente evitado.

Um líder sem empatia é como um motor sem uma vela de ignição, simplesmente não engata.

A empatia é essencial para a conexão e, então, podemos aproveitar a centelha para liderar com compaixão.

E aqui está o desafio para a maioria dos líderes, tendemos a ficar presos por nossa empatia, tornando-nos incapazes de mudar para a compaixão.

Superar um sequestro empático é uma habilidade crítica para qualquer líder.

Ao dominar essa habilidade, você deve lembrar que se afastar da empatia não o torna menos humano ou menos gentil.

Em vez disso, torna você mais capaz de apoiar as pessoas em momentos difíceis.

Aqui estão alguns pontos para usar a empatia como um catalisador para liderar com mais compaixão, que fui aprendendo a desenvolver nessas décadas na área.

Para evitar ser pego em um sequestro empático, quando você está com alguém que está sofrendo, tente dar um passo mental e emocional para longe.

Saia do espaço emocional para ter uma perspectiva mais clara da situação e da pessoa. Somente com essa perspectiva você poderá ajudar.

Ao criar essa distância emocional, você pode sentir que está sendo cruel.

Mas lembre-se de que você não está se afastando da pessoa.

Em vez disso, você está se afastando do problema para ajudar a resolvê-lo.

Pergunte o que eles precisam.

Quando você faz a pergunta simples “O que você precisa?”, você iniciou uma solução para o problema dando à pessoa a oportunidade de refletir sobre o que pode ser necessário.

Isso o informará melhor sobre como você pode ajudar.

E para a pessoa que sofre, o primeiro passo para ser ajudado é sentir-se ouvido e visto.

Os líderes geralmente são bons em fazer as coisas.

Mas quando se trata de pessoas que enfrentam desafios, é importante lembrar que, em muitos casos, as pessoas não precisam de suas soluções, elas precisam do seu ouvido e da sua presença atenciosa.

 Muitos problemas só precisam ser ouvidos e reconhecidos.

Treine a pessoa para que ela possa encontrar sua própria solução.

Liderança não é resolver problemas para as pessoas, é sobre crescer e desenvolver pessoas, para que elas tenham o poder de resolver seus próprios problemas.

Evite tirar essa oportunidade de aprendizado de vida das pessoas resolvendo seus problemas diretamente.

Em vez disso, treine-os e oriente-os.

Mostre a eles um caminho para encontrar suas próprias respostas.

Mostre autocompaixão praticando autocuidado autêntico.

Há um custo para gerenciar os próprios sentimentos para gerenciar melhor os outros.

Muitas vezes chamada de trabalho emocional: a tarefa de absorver, refletir e redirecionar os sentimentos de outras pessoas pode ser avassaladora.

Por causa disso, nós, como líderes, devemos praticar o autocuidado, fazer pausas, dormir e comer bem, cultivar relacionamentos significativos e praticar a atenção plena.

Precisamos encontrar maneiras de nos mantermos resilientes, fundamentados e em sintonia com nós mesmos.

Quando aparecemos no local de trabalho com essas qualidades, as pessoas podem se apoiar em nós e encontrar consolo e conforto em nosso bem-estar.

Estamos juntos

Facebook
Twitter
Email

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esteja antenado às novidades do SST

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Nossos Cursos

Treinamento Prático Desafio GRO e PGR

Um acompanhamento passo a passo para você analisar o extrato do FAP, identificar divergências e contestar o FAP 2022 de forma segura, correta e dentro do prazo

Curso Prático de Contestação do FAP

Um acompanhamento passo a passo para você analisar o extrato do FAP, identificar divergências e contestar o FAP 2022 de forma segura, correta e dentro do prazo